O Verdadeiro Eu


O Verdadeiro Eu!

“APRENDER A DAR SEM SE PERDER” – Prem Baba

 “A vergonha está encobrindo o que você considera falho; o que você considera errado em você. Você não quer encarar isso porque tem medo de não ser amado. Se você mostrar a sua feiúra para os outros, talvez eles não te queiram. E, às vezes, você não quer ver a feiúra do outro para manter a ilusão de que está em um relacionamento saudável. Eu estou te ensinando a olhar objetivamente, porque o amor real nasce da visão objetiva da realidade. O sol não escolhe a quem ele vai aquecer, ele aquece ao bom e ao mal – ele aquece tudo. Eu estou te ensinando a amar ao outro, independentemente das suas falhas. Eu te ensino a olhar para o outro e reconhecer os defeitos, mas lembrando que isso não é o mais importante e que tais imperfeições são apenas mecanismos de defesa, ou seja, são formas de se proteger da dor.
Enquanto você estiver se julgando e se condenando, não será possível amar ao outro com as suas imperfeições. Se existe uma idealização de perfeição muito severa em relação a si mesmo, você será cruel consigo e com o outro. Há que se desenvolver um tanto de humildade para aceitar as suas próprias imperfeições, sem querer estar acima delas, entendendo que tais mecanismos fazem parte da natureza humana.”

Sri Prem Baba, 4 de março de 2012.

Mensagem de domingo, 4 de março de 2012:

Na terra de todos somos convidados a destruição de nossos costumes, do nosso eu idealizado-aquele cuja existência é passageira; e existe somente no costume de determinar-lo, pelo pensamento!

Libertar-se “dele”, deste eu constituído por imagens que têm usurpado o trono do nosso eu, é meta humana redentora!

Sempre que logramos conciliar aspectos de nossa existência, a luz se intensifica e cria um vácuo de existência onde o divino pode nos preencher com coisas novas. Tornamos-nos, então, como Jesus, a luz do mundo!

A luz é um meio-termo, uma conciliação, entre nossa manifestação e as exigências do espírito. No Reino Espiritual mais profundo, bem como na realidade primordial do átomo, não existe separação entre o eu de cada um e ou eu das situações! Tudo quanto é parte de nós, tudo quanto é vivido, é algo reinante em nós!

Os seres da terra estão mudando de paradigma – compreendendo que as realidades do “eu exterior” são as necessidades do “eu interior”, e que ambos se fundem formando uma só expressão da universalidade essencial de Deus!

A manifestação é o único aspecto conhecido de vossa existência: sem ‘ela’, como vos determinar? Pois pensamento é manifestação – carrega um conteúdo, uma forma e uma realização (algo sendo feito)!

A sabedoria primordial da existência consiste em se entregar ao seu eu real, renunciando aos aspectos que buscam exigências de algo e com necessidades discordantes com o verdadeiro “eu”!

Isso parece engodo, não o é! É a realidade do eu: o vazio perceptivo, que deixa o novo entrar e o preza como a benção da responsabilidade de conhecer a si mesmo!

Amigos, o conhecer a nós mesmos é um processo; quando este se afirma em algo conhecido – quanto cria pontos de referência (representativos somente nos secundarismos do eu que condiciona relações, que é passageiro), com um aspecto idealizado, e, portanto, ilusório e usual, perde parte de seu processo; e quanto mais insisti nisso mais sofre para alcançar a luz da maestria de si mesmo!

O eu é percepção.

Há 4000 anos Krishna ressaltava para a realidade e a sabedoria de mudar, dizendo: a atenção ao eu é a sabedoria e a bênção de si mesmo.

É complicado perceber essa distância aparente para aquele que ainda não conhece o seu aspecto amoroso – que nunca se sentiu feliz sem motivo e  por tempo considerável! Entretanto, são as atenções ao mundo não-perceptivo, a curiosidade quanto às questões não realizadas, a pressa em saber e em conhecer, que criam afirmações internas precipitadas! *¹²¹²

A precipitação é a “mãe” de todo mal. E a paciência, dizia Krishna e Maharishi se não me engano, é a realização do eu virtuoso em sua virtude de Ser, de ver e de amar!

O deus que existe em cada coração também existe aqui, no coração dos seres em conjunto!

A imutabilidade é múltipla, mas possui seu aspecto único.

“O macro é igual ao micro”, não disse assim o egípcio três vezes sábio, Hermes Trimegistro?

Para compreender isto é somente necessário amar, acreditar na vida e buscar o eu não identificado, aquele irrestrito à situação: que “esquece de si ” e de quebra vive quem é de fato!

Os atributos são o sono da matéria, e quem quiser render-se a eles, enfadando-se em necessidades, não encontrará a luz do “seu” mundo pessoal! Só no mundo aberto, vibracional, e propenso a criatividade é que encontraremos a luz real!

A racionalidade é a inteligência mítica do homem; cria saberes desnecessários, padroniza o mundo na tentativa de perfeição. Entretanto, alguém conhece algo perfeito? Já imaginou se esta perfeição seria algo fixo e sabido?

– De fato não seria!

Ela está na busca não projetiva, não idealizada e desapegada do ideal e de seu canalizador: é a sobreposição do eu sobre as manifestações do eu! É o trono da alma que finalmente se refaz – encontra-se a bênção de Si Mesmo!

“Tudo o que necessitas vem de ti”.

Na terra se diz: “tudo o que necessitas vem de Deus”. Entretanto, quem é Deus? Como afirmar isso sem conhecê-Lo?

Ora, meus amigos, Deus é o desconhecido por excelência – aquele que se cria e se reconstrói infinitamente, numa só expressão de unidade!

Por isso, Deus está no estado de consciência que compreende ser um com o Todo; que renuncia ao simbolismo mítico de si mesmo, escolhendo a perigosa segurança, desconhecida segurança, de buscar levantar a Cruz do Cristo e não a cruz de si mesmo!

Quem quiser salvar a si mesmo, se perderá! Porque está buscando satisfazer a um eu ilusório, com necessidades ilusórias!

“Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.” Jesus.

Nada deve se tornar uma necessidade, tudo deve ser feito acompanhando os processos da consciência, acompanhando-os com afinco!

O afinco de que falo é também uma ilusão, pois só é necessário devido à recusa em continuar a crer em algo nosso; devido à preguiça de entender e de buscar desapegadamente, livremente!

Não tome o mundo para si, seja o mundo. “Viva no mundo, mas não seja do mundo”!

No meio meditativo, reconhecemos que nós todos estamos sujeitos à crença e às manifestações do mundo; às energias que naturalmente circulam***, e por vezes nos assediam – criando um aspecto, um padrão de conduta que se agrega a nós e faz de nós o que somos!

É o famoso “produto do meio” – uma ilusão!

O homem é produto do meio somente enquanto se compreende como algo fixo, se idealiza e dialoga com situações imaginárias, vendo nelas perspectivas pautadas por julgamentos – que, por sua vez, contêm condições de ser e de estar – determinadores do estado do presente do ser e da situação que é,e que está em aberto, para torná-lo(s) uma situação padronizada por saberes já constituídos!

A desconstrução é a bênção do processo! Para aderir a ela existe o paradoxo do medo, medo da autonomia de enxergar além dos sonhos dos burburinhos mentais, e se jogar no divino, sem conhecê-Lo, sem entender o que nos resta ou o que não nos resta!

 

“tudo é, e nos jogamos na dança da vida!” *¹²³

“pulsar de átomos que se criam e se renovam em espaços imensuráveis – pensamentos que fluem desapegadamente e nos tornam criativos”

“bênçãos que fluem, vêm e vão – sem ligar para quem as “percebeu” e ou participou delas!”

No mundo do espírito, mente é manifestação comum a todos, passageira e com substância fugaz: sempre muda!

Tu és uno!

Eu sou o Eu Sou!

Eis a ascensão de Deus e de seu Reino Divino de Unidade, em que nada mais existe além da Unidade do Todo!

Tudo é divino, tudo é miraculoso, importante e privilegiado  – Tu e Eu somos deuses! Reis da Matéria, receptáculos do Espírito Universal!

 

Certa vez, Alexandre O Grande, enquanto caminhava a certa distância de seus soldados, avistou um homem, aparentemente muito pobre, sentado na frente de uma pequena barraca de palha!

Acometido de certa piedade, foi até ele. Chegando lá, interpelou-o já dizendo: Você deve ser muito pobre. Pede-me algo e eu te darei!

O homem, invariavelmente, responde: Não há nada que eu queira e que tu possas me dar!

Alexandre, diante de tamanha ‘irreverência’, fica encabulado, e lhe diz:

Não sabe quem sou? Sou Alexandre O Grande, conquistei estas terras e tenho conquistado muitas outras, sou um homem muito rico e poderoso: sou o maior rei que já se viu, poderei dar-te tudo o que me pedires!

 O sadhu**²² responde então: E  tu es Rei? .Ao que Alexandre responde:- Sim.

E o sadhu logo diz: – Eu também sou Rei (fala isso rindo), e não há nada que eu necessite de ti!

O conquistador, então, pensa que está sendo vítima de uma zombaria.

Então o grande yogue, sentando em posição de lótus, lhe diz, com certo tom irônico: Alexandre não ofereça coisas que tu não podes dar. Por favor, saia da frente está tapando o Sol!

 

Alexandre ficou então ainda mais intrigado – atiçado em sua busca pela sabedoria: havia encontrando um sábio que valia apena conhecer!

Conta-se que ele o encontrou diversas vezes, aprendendo dele, até a sua morte!

 

Não há nada além de nós, nada nos é externo como  acostumamos a achar! Eis o sonho da matéria: aquele que crê num mundo e o constrói sem conhecê-lo. Altere-o à vontade ou se jogue na Luz! Experimente, não tenhas medo de vos orientar pelo que desconheces, pela percepção do Deus Imanifesto! Nascerá a paixão pela vida, pelo todo de qualquer contexto – que não nega aspectos, partes: vê o todo em qualquer lugar***!

Já disseram: o ser humano, quando se depara com algo dificultoso, com a sombra de seus aspectos, se esquece de acolher a si mesmo e recusa a fluidez desse processo, guardando uma situação ou um medo   – algo inexistente!

Não guarde nada! “Aquele que se enraivece só ganha uma coisa: a raiva!”*

Percebam quanto paradoxo, este ato de agregar-se, de julgar uma situação (ou a si mesmo) inadequada! Isso não existe; tudo vêm para nós – acolha o que Deus vos manda: são bênçãos de aprendizado!

Quando você renuncia ao sofrimento, à negação de qualquer aspecto do seu mundo, deixando de idealizar ou de se esconder (inclusive de vossos erros), chegas ao aspecto divino da irmandade, e qualquer mudança é uma benção, tudo é bom, nada é ruim – tudo é lindo, divino!**

Isso pode ser chamado de ascender o livre arbítrio! Teu eu se estende ao infinito e vais abrangendo situações, espaços e esferas divinas. Chegaras ao infinito e nem te aperceberas de si – tu és o infinito! Deus está, aqui, sempre!

Yogananda, um mestre espiritual autorealizado, compreendia coisas incríveis! Estava nos EUA e podia ver seus discípulos na Índia.

É a união do espírito cósmico que se processa.

Ramatís já dizia: o espírito abrange o bem e o mal, e cresce esfericamente, abrangendo dimensões indescritíveis!

Escute http://www.youtube.com/watch?list=PL50616A08299801AF&feature=player_detailpage&v=NJ5L2wX2NkE

E leia:

Jesus conhecia as consciências de seus discípulos e conhece a de todos que quer!

A questão é: qual deles quer conhecer, para aprender dele?!

É um momentum de consciência, de escolha; ou atributos ou essência; ou racionalizações (mastigações do já mastigado) ou intuições (inteligência aflorada, perceptiva), amor e sentimento!

Este momento é cósmico; ninguém dirá até quando durará, até porque cada um tem seu tempo, as suas heranças e idade sideral! Cada um busca permear um aspecto de Si mesmo de acordo com sua essência! Ser original é acreditar em si mesmo e na emoção avassaladora do existir de seu coração, quando este não se denomina como isso ou aquilo, eu ou outro!

Escutem:

E leiam:

Eu Sou – afirmem isso sabendo o que são: nada do que conhecem!

A fé nos leva a crer e a acreditar no que ainda não sabemos; a confiar na vida para além do nosso costumeiro controle!

Matheus (espírito), explica bem esse processo do egoísmo humano, da sua necessidade de controle, na seguinte parte do artigo “Meditação: caminho para a realização de si mesmo”:

 “O homem esta sempre direcionando seus pensamentos para o passado, mesmo que sejam momentos antes, ou para o futuro, mesmo que sejam momentos depois.

         Mal o sabe ele que seu ser é muito mais complexo e capaz, não sendo necessário permanecer nesse eterno fluxo de pensamentos – nosso ser nos autodirige, sem necessitarmos teorizar isso.

         Esse constante pensar, que torna o mundo presente – a nossa única conexão concreta com a realidade – um mundo abstrato e difícil de compreender, é, na verdade, conforme muitos podem ver ao progredir na meditação, uma fuga da realidade que nos cerca.

         Eu  particularmente defino isso como a ‘’consciência mítica do homem’’ pois, como no mito, ele necessita constantemente estar criando a realidade, em sua mente, para estar seguro de si. Então vive num mundo fictício e padronizado, sempre o mesmo.

        A proposta da meditação é que enxerguemos o mundo novamente e deixemos de lado todo o mundo que criamos e padronizamos  em nos mesmos, e possamos agir livremente em prejuízo de qualquer sistema que nos tolha a manifestação.

       È realmente um ideal muito alto para o homem comum, mas que é progressivo: cresce cada vez mais, conforme ele se autoaperfeiçoa.’’ 

Além disso, sejam livres, presentes e não tenham pressa em Ser!

Ofereço-vos apenas um ideal meditativo!

Continua…

 

Ditado por Pena Branca, Ronien e Lucius!

Para saber mais:

1 – Encontros com a verdade – Prem Baba, 2009.

2- palestras sobre o livro de São João da Cruz. Palestrante:

a venda na sociedade teosófica por R$     (telefone: ).

 

3- Livro: O caminho da autotransformação – Eva Pierrakos e O Guia.

 

4- Nota do Médium: Artigos relacionados: 1 – http://dharmalog.com/2012/03/15/terence-mckenna-nao-confie-em-ideologias-busque-a-experiencia-direta-e-seja-responsavel-pelo-que-pensa-e-faz/?utm_source=Dharmalog+List&utm_campaign=ee64f0cccf-RSS_EMAIL_CAMPAIGN&utm_medium=emailfaz/?utm_source=Dharmalog+List&utm_campaign=ee64f0cccf-RSS_EMAIL_CAMPAIGN&utm_medium=email

                                         2-  http://blogdoosho.blogspot.com/2012_02_19_archive.html

 

*¹: Nota do Médium: música magnífica que corrobora com o tema de tornar-nos donos de nossa riqueza:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=-2GYf9ASAxA

 

**²²: Sadhu é um termo de origem védica, da remota índia, usado par designar os renunciantes – aqueles que renunciam a quaisquer posses ou apegos materiais, em busca da vivência somente pelo espírito. Também pode ser sinônimo de sábio. Entretanto, mesmo na Índia pode haver certo preconceito contra os sadhus – de fato, nem todos são sábios!

*¹²: Nota do Médium: Mais artigos sobre Alexandre o Grande e a Yoga:

1- http://blog.opovo.com.br/yoga/a-verdadeira-prosperidade/

2- http://www.hariharanandakriyayoga.org/port/p_who_we_are/p_kriya/p_successive_waves.htm

 

Artigo relacionado: http://blogdoosho.blogspot.com/search?updated-max=2012-03-03T11:11:00-03:00&max-results=1&reverse-paginate=true

 

*¹²¹²: Nota do Médium:Vídeo de 1 minuto que resume ‘tudo’:

 http://dharmalog.com/2012/03/15/terence-mckenna-nao-confie-em-ideologias-busque-a-experiencia-direta-e-seja-responsavel-pelo-que-pensa-e-faz/?utm_source=Dharmalog+List&utm_campaign=ee64f0cccf-RSS_EMAIL_CAMPAIGN&utm_medium=email

 ***: o mundo é energético e não imagético!

*:Já disse Jung, no livro “Red Book” , sobre aquele que tenta forçar o mundo de fora em nome da sombra julgadora de dentro:Ele se força sobre os outros, e por isso é amaldiçoado a forçar ele mesmo sobre ele mesmo em um nada frio”, ou seja, é uma alienação, tida como comum na maioria das culturas!

**: recomendo ler: http://dharmalog.com/2012/04/03/o-diabo-e-a-soma-da-escuridao-da-natureza-humana-carl-jung-deus-e-o-diabo-no-livro-vermelho-trecho/

*¹²³: Nota: “tudo é” significa: nada é totalmente conhecido e não pode ser determinado utilizando-se de saberes já constituídos/ representativos: apenas por meio da observação desapegada. Entra então a contribuição da transpessoalidade, que afirma, e possui meios de cada um comprovar: para se conhecer algo é necessário, humildemente, expor o seu não-saber e olhar com olhos inocentes, de quem nada sabe, para então poder enxergar acuradamente – sem criar atribuições ou meios de representar o saber dentro de si mesmo: veja simplesmente, e isso lhe bastará para entender, até melhor do que costumavas. Se necessário, algum dia, converterás a experiência em pensamentos, em representações , entretanto,somente para finalidades comunicativas! Isto é ancorar-se no sentimento, no desapego de ser, buscando o que está em aberto na realidade impermanente que é a vida(sem determinar-se ou determinar), podendo assim abranger holisticamente a realidade, abrindo os reinos fluidos da percepção clara, que vê de fato ao invés de achar que vê ou achar que sabe. “vocês afirmam que vêem, e por isso são cegos” “Vieram a mim e taparão os olhos, de medo que eu os fizesse enxergar e os curasse”. Traduzindo: o homem em seu estado atual têm medo da realidade,e , para fugir de seu constante convite ao aprendizado/ à fluidez, cria representações mentais que justifiquem as situações e criem um mundo apego à usos padronizados – formas de se sentir seguro sem ter que ser, necessariamente, criativo a todo instante: perceber tudo,aceitar tudo,e,,por fim, pela sobreposição do impulso de vida pelos entraves das crenças, chegar a amar incondicionalmente a vida , ao invés de “amar” somente determinadas situações. Eis então que a alegria surge a toda hora, independente do que está fora. Compreendes então a realidade do eu e das coisas que “o” cercam! Podes integrar-se com a vida e expandir sua luz, ininterruptamente, até o “infinito incriado”(conceito vedanta)). http://www.youtube.com/watch?v=MhJW7iZjw04&feature=related

<script type=”text/javascript” src=”http://cdn.widgetserver.com/syndication/subscriber/InsertWidget.js”></script><script type=”text/javascript”>if (WIDGETBOX) WIDGETBOX.renderWidget(‘4aba8349-cbc5-4707-98a5-a6ef8f6adfc0’);</script>
<noscript>Get the <a href=”http://www.widgetbox.com/widget/chakra-system-large”>Chakra System of Energy Healing Full Version</a> widget and many other <a href=”http://www.widgetbox.com/”>great free widgets</a> at <a href=”http://www.widgetbox.com”>Widgetbox</a&gt;! Not seeing a widget? (<a href=”http://support.widgetbox.com/”>More info</a>)</noscript>

Òtima explicação sobre a experiência meditativa: http://www.youtube.com/watch?v=txTsbeuY5gM&feature=related

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s